A meditação e o não-fazer

       A meditação é sempre passiva: sua própria essência é passiva. Ela não pode ser ativa, porque sua própria natureza é o não-fazer. Se você estiver fazendo algo, seu próprio fazer perturba a coisa toda: seu próprio fazer, sua própriaatividade”, cria a perturbação.

      O não-fazer é meditação, mas, quando eu digo “não-fazer é meditação”, não estou dizendo que você precisa não fazer nada. Até para se atingir esse não-fazer, a pessoa tem de fazer muito. Mas esse fazer não é meditação. É somente um degrau, somente um trampolim. Todofazer” é apenas um trampolim, não meditação.

      Você está à porta, nos degraus... A porta é o não-fazer, mas para se chegar ao estado de mente do não-fazer, a pessoa tem de fazer muito. Mas a pessoa não deve confundir esse fazer com meditação.

 Osho, Meditação A Arte do Êxtase, #